Data: 15/09/2016
Mês: Setembro
Ano: 2016
O Global Innovation Index 2016 (GII) é co-publicado pela Cornell University, pelo INSEAD e pela agência das Nações Unidas WIPO (World Intellectual Property Organization) e consiste na elaboração do ranking de inovação das economias mundiais.
 
Os indicadores medidos estão agrupados em sete pilares: Instituições, Capital humano e investigação, Infra-estruturas, Sofisticação do mercado, Sofisticação de negócios, Produção tecnológica e do conhecimento e Produção criativa.
 
De acordo com o Global Innovattion Index 2016, Portugal ocupa a 30ª posição em 128 países, mantendo a sua posição face ao ranking de 2015 (30ª posição em 141 países). Na ZE(19), Portugal ocupa a 13ª posição e na UE(28) ocupa a 17ª posição.
 
Num âmbito mais específico, Portugal encontra-se entre as melhores posições nos indicadores: Facilidade em insolvências (7º), Facilidades em iniciar um negócio (13º), Performance ambiental (16º), Crédito concedido ao sector privado (16º), Publicações científicas (11º), Despesa pública por aluno do secundário (14º), Certificações de qualidade ISO 9001 (9º), Activos intangíveis (7º), Design industrial (12º), Marcas registadas (12º) e Investimento directo estrangeiro – saídas líquidas (13º).
 
Por seu lado, os indicadores com resultados mais fracos registam-se nas áreas: Facilidade na obtenção de crédito (81º), Capitalização bolsista (55º), Taxa de crescimento de paridade de poder de compra por trabalhador (98º), Formação Bruta de Capital Fixo (114º), Importações de alta tecnologia menos reimportações (75º), Produção nacional de filmes (59º).
 
No ranking global, os 3 primeiros lugares são ocupados pela Suíça (1º), Suécia (2º) e Reino Unido (3º), enquanto os últimos lugares são ocupados pelo Togo (126), Guiné (127) e Iémen (128).

ine

(Tabela: Global Innovation Index 2016)

Documento Original PDF