Data: 20/10/2016
Mês: Outubro
Ano: 2016

No 2º trimestre de 2016, a Capacidade Líquida de Financiamento da Economia Portuguesa foi de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) (ano acabado em cada trimestre para todos os dados), menos 0,3 pontos percentuais (p.p.) do que no trimestre anterior (1,5%).

ine

Para esta evolução contribuiu a redução da capacidade líquida de financiamento das Sociedades não Financeiras, para 0,6% do PIB (menos 0,3 pontos p.p.) e das Sociedades Financeiras para 3,2% do PIB (menos 0,4 pontos p.p.). As Famílias aumentaram a sua Capacidade de financiamento para 0,8% do PIB (0,7% do PIB no 1º trimestre de 2016). As Administrações Públicas passaram de uma necessidade líquida de financiamento de 3,7% em março de 2016 para 3,4% do PIB.

ine

No 2º trimestre de 2016, a variação de Passivos da Economia Portuguesa (vis-à-vis com o Resto do Mundo) diminuiu 2,7 % do PIB.

ine

No 2º trimestre de 2016, a variação dos Passivos das Sociedades não Financeiras registaram um aumento de 1,6% do PIB, para a qual contribuíram positivamente; Ações e Outras Participações (1,4%) e Títulos Exceto Ações (0,4%). Inversamente, contribuíram, sobretudo, os Empréstimos (-0,2%).

ine

Documento Original PDF